Compre pelo Telefone: 0800.777.6601

Buscar

Digite o termo que deseja buscar:

Top 5


Início > DVDs > DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO
DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO



clique na imagem para ampliar
diretor: Pedro Asbeg
Disponibilidade para envio: Imediata
R$ 42,90


Pague em até 6x no cartão

1 x R$ 42,90Total - R$ 42,90
2 x R$ 21,45Total - R$ 42,90
3 x R$ 14,30Total - R$ 42,90
4 x R$ 10,73Total - R$ 42,92
5 x R$ 8,58Total - R$ 42,90
6 x R$ 7,15Total - R$ 42,90

 


Quer saber o valor do frete?
Entre com seu CEP    
   
Não era o que você procurava?
Envie-nos uma mensagem.

Características


DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO

SINOPSE

DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO

Estávamos em 1982. A ditadura militar completava 18 anos de opressão e censura e a MPB sobrevivia de metáforas. O Clube Corinthians, dos jogadores Sócrates e Casagrande, era dominado pelo mesmo presidente. Foi neste contexto de política, futebol e rock que foram vividos alguns dos importantes momentos de nosso País. O filme, narrado por Rita Lee, fala desse período de sonhos, conquistas, utopias e desilusões.

DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO

O processo de abertura política no Brasil no início dos anos 80 também envolvia futebol e rock n' roll.
Corria o ano de 1982. A ditadura militar completava dezoito anos de opressão e censura, a MPB sobrevivia de metáforas e não se comunicava com a juventude e o Corinthians era dominado por um mesmo presidente em um período igualmente longo.

Aproveitando-se da fraqueza política de alguns dirigentes e da má campanha que o time cumpria nos últimos tempos, o melhor jogador do time faz, dentro do clube, o que muitos gostariam de fazer no país: democratiza o processo de tomada de decisões.
Sócrates Brasileiro de Souza, o doutor Sócrates, ou apenas "Magrão", percebeu que existiam naquele momento e naquele ambiente os ingredientes necessários para uma pequena revolução de idéias e de atitude e iniciou o processo que ficou conhecido como "Democracia Corintiana": todos que participavam do departamento de futebol – do presidente ao centroavante – tinham o mesmo poder de voto nas principais questões do clube.

No início, não existia nada concreto ou organizado. Eram apenas jogadores que queriam exercer, dentro de seu local de trabalho, a cidadania que lhes era negada em outras esferas da sociedade. Cada membro da equipe passou, então, a ter direito a um voto nas mais variadas questões. Este acabou sendo um momento único do esporte brasileiro, principalmente se levarmos em conta o contexto político vivido no país.

Dentro do universo arcaico e paternalista do futebol brasileiro, nunca antes os jogadores haviam tido tanto espaço para decisões. Aos poucos, a "Democracia" ia tomando corpo, fazendo fama e assustando dirigentes de outros clubes e os militares que ainda se agarravam ao poder. Se era possível que um grupo de jogadores decidisse no voto direto qual seria o horário do treino, se haveria a concentração ou não dos jogadores na véspera de um jogo e até mesmo quais deveriam ser os novos contratados da equipe, era de se temer que, em breve, uma grande parcela do povo brasileiro quisesse ter esses mesmos simples porém proibidos direitos.

Além disso, o Corinthians não era apenas exemplo de democracia e liberdade. No campo, a equipe mais popular de São Paulo levou o troféu em 82 e 83. Os títulos davam a sustentabilidade que o movimento precisava para se fortalecer perante os vigilantes críticos da liberdade de expressão.
Foi também nesta época que as coisas começaram a mudar dentro da música popular brasileira. Uma profusão de bandas, de diferentes estilos e cidades, dizia a mesma coisa: a juventude queria mudanças e, principalmente, liberdade. E foi com o mesmo caldo de revolução vivido pela Democracia Corintiana que Ultraje a Rigor, Titãs, Barão Vermelho, Legião Urbana e Blitz, entre tantas outras, surgiram, conquistaram um publico ávido por novidades e mostrou que era sim possível termos rock n' roll brasileiro de qualidade e com conteúdo.

Durante esse mesmo período, a pressão popular pelo fim da ditadura e pelo direito ao voto direto cresceram. Iniciou-se uma campanha pluri-partidária em prol da emenda do deputado Dante de Oliveira, que garantiria eleições diretas para presidente em 1985 e que ficou conhecida como "Diretas Já". Comícios e manifestações proliferaram por todo o país. O governo e a grande mídia tentaram esconder, mas a força do movimento foi grande demais e ficar fora dele era dizer não a um Brasil livre e democrático. Os dias do regime militar
estavam contados.

Não foi, portanto, surpresa para ninguém, quando os jovens músicos e os jogadores do Corinthians dividiram o espaço no alto dos palanques, ao lado de Tancredo Neves, Ulisses Guimarães, Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva.
Lá se vão quase 30 anos e, no entanto, a Democracia Corintiana e as "Diretas Já!" continuam na memória coletiva do povo brasileiro, enquanto o rock brasileiro já se estabeleceu e frutificou em muitas novas bandas.

Nos últimos quatro anos, tivemos o prazer de conhecer e entender as principais histórias e personagens destes três universos, ao longo do processo de desenvolvimento e produção do longa-metragem Democracia em preto e branco. De Sócrates a Frejat, passando pelo presidente Lula, entrevistamos mais de 30 pessoas que participaram ativamente daquela época tão importante para a construção da nação que temos hoje.

DADOS DO PRODUTO

título: DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO
título original: DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO
idioma: Português
pais de produção: BRASIL
legenda: Português
formato da tela: Fullscreen
áudio original: PORTUGUÊS - DOLBY DIGITAL 2.0
tempo de duração: 82 MINUTOS
quantidade de discos: 1
região: 4

diretor: Pedro Asbeg

 

EDITORA CAROS AMIGOS

Sede administrativa e redação

 Rua Vieira de Carvalho n. 115, Conj. 31, Santa Ifigênia , São Paulo-SP. CEP: 01210-010

Estoque e distribuição:

Rua Garcia Aquilino, 10, casa 01, Moinho Velho, São Paulo, SP, CEP 02929-070

Atendimento: 0800 777 6601 

2017 - Lojacarosamigos.com.br - Todos os direitos reservado
Desenvolvido por 001SHOP