Compre pelo Telefone: 0800.777.6601

Buscar

Digite o termo que deseja buscar:

Top 5




Início > Livros > O que resta da ditadura
O que resta da ditadura



clique na imagem para ampliar
Autor(a): Edson Teles e Vladimir Safatle (orgs.)
Disponibilidade para envio: Imediata
R$ 52,00


Pague em até 6x no cartão

1 x R$ 52,00Total - R$ 52,00
2 x R$ 26,00Total - R$ 52,00
3 x R$ 17,33Total - R$ 51,99
4 x R$ 13,00Total - R$ 52,00
5 x R$ 10,40Total - R$ 52,00
6 x R$ 8,67Total - R$ 52,02

 


Quer saber o valor do frete?
Entre com seu CEP    
   
Não era o que você procurava?
Envie-nos uma mensagem.

Características

Título: O que resta da ditadura
Subtítulo: a exceção brasileira
Autor(a): Edson Teles e Vladimir Safatle (orgs.)
Prefácio: Edson Teles e Vladimir Safatle
Páginas: 352
Ano de publicação: 2010
ISBN: 978-85-7559-155-0
Preço: R$ 52,00


`Quem controla o passado,
controla o futuro.` (George Orwell, 1984)

Bem lembrada na frase que serve de epígrafe ao livro, a importância do passado no processo histórico que determinará o porvir de uma nação é justamente o que torna fundamental esta obra. Organizada por Edson Teles e Vladimir Safatle, O que resta da ditadura reúne uma série de ensaios que esquadrinham o legado deixado pelo regime militar na estrutura jurídica, nas práticas políticas, na literatura, na violência institucionalizada e em outras esferas da vida social brasileira.

Fruto de um seminário realizado na Universidade de São Paulo (USP), em 2008, o livro reúne textos de escritores e intelectuais como Maria Rita Kehl, Jaime Ginzburg, Paulo Arantes, Ricardo Lísias e Jeanne Marie Gagnebin, que buscam analisar o que permanece de mais perverso da ditadura no país hoje. Assim, o livro possui também um caráter de resistência à lógica de negação difundida por aqueles que buscam hoje ocultar o passado recente, seja ao abrandar, amenizar ou simplesmente esquecer este período da história brasileira.

Segundo Edson Teles e Vladimir Safatle, a palavra que melhor descreve esta herança indesejada é “violência” - medida não pela contagem de mortos deixados para trás, mas por meio das marcas encravadas no presente. Para os organizadores, “neste sentido, podemos dizer com toda a segurança: a ditadura brasileira foi a mais violenta que o ciclo negro latino-americano conheceu. Quando estudos demonstram que, ao contrário do que aconteceu em outros países da América Latina, as práticas de tortura em prisões brasileiras aumentaram em relação aos casos de tortura na ditadura militar; quando vemos o Brasil como o único país sul-americano onde torturadores nunca foram julgados, onde não houve justiça de transição, onde o Exército não fez um mea culpa de seus pendores golpistas; quando ouvimos sistematicamente oficiais na ativa e na reserva fazerem elogios inacreditáveis à ditadura militar; quando lembramos que 25 anos depois do fim da ditadura convivemos com o ocultamento de cadáveres daqueles que morreram nas mãos das Forças Armadas; então começamos a ver, de maneira um pouco mais clara, o que significa exatamente ‘violência’.”

Ensaios e autores
Militares e anistia no Brasil: um dueto desarmônico
Paulo Ribeiro da Cunha

Relações civil-militares: o legado autoritário da Constituição brasileira de 1988
Jorge Zaverucha

“O direito constitucional passa, o direito administrativo permanece”: a persistência da estrutura administrativa de 1967
Gilberto Bercovici

Direito internacional dos direitos humanos e lei de anistia: o caso brasileiro
Flávia Piovesan

O processo de acerto de contas e a lógica do arbítrio
Glenda Mezarobba

Tortura e sintoma social
Maria Rita Kehl

Escritas da tortura
Jaime Ginzburg

As ciladas do trauma: considerações sobre história e poesia nos anos 1970
Beatriz de Moraes Vieira

O preço de uma reconciliação extorquida
Jeanne Marie Gagnebin

Brasil, a ausência significante política
Tales Ab’Sáber

1964, o ano que não terminou
Paulo Eduardo Arantes

Do uso da violência contra o Estado ilegal
Vladimir Safatle

Os familiares de mortos e desaparecidos políticos e a luta por “verdade e justiça” no Brasil
Janaína de Almeida Teles

Entre justiça e violência: estado de exceção nas democracias do Brasil e da África do Sul
Edson Teles

Dez fragmentos sobre a literatura contemporânea no Brasil e na Argentina ou de como os patetas sempre adoram o discurso do poder
Ricardo Lísias

Sobre os organizadores
Edson Teles é doutor em filosofia política pela Universidade de São Paulo (USP), professor de filosofia política na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Organizou, com Cecília MacDowell Santos e Janaína de Almeida Teles, o livro Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil (São Paulo, Hucitec, 2009).

Vladimir Safatle é professor livre-docente do Departamento de Filosofia da USP, bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), professor visitante das Universidades de Paris VII e Paris VIII, professor-bolsista no programa Erasmus Mundus. Escreveu A paixão do negativo: Lacan e a dialética (São Paulo, Edunesp, 2006), Lacan (São Paulo, Publifolha, 2007), Cinismo e falência da critica (São Paulo, Boitempo, 2008) e Fetichismo (Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, no prelo), entre outros.


 

EDITORA CAROS AMIGOS

Sede administrativa e redação

 Rua Vieira de Carvalho n. 115, Conj. 31, Santa Ifigênia , São Paulo-SP. CEP: 01210-010

Estoque e distribuição:

Rua Garcia Aquilino, 10, casa 01, Moinho Velho, São Paulo, SP, CEP 02929-070

Atendimento: 0800 777 6601 

2017 - Lojacarosamigos.com.br - Todos os direitos reservado
Desenvolvido por 001SHOP